Em 1921, Einstein recebeu o Prêmio Nobel pela explicação do Efeito Fotoelétrico. Em 1933, abandonou a Alemanha e instalou-se definitivamente no Instituto de Estudos Avançados de Princeton (EUA), onde lecionou o resto de sua vida.

Um dia um visistante perguntou a Einstein qual seria, no leito de morte, o balanço de sua vida: fora um sucesso ou tinha sido inútil?

Ele respondeu: "Nunca me interessaria por esta questão, nem no leito de morte, nem noutra altura qualquer. Ao fim e ao cabo, não passo de uma partícula da natureza".

Na mesma paz em que viveu, Albert Einsten morreu, em 1955.

Com a fórmula E=m.c ao quadrado, Einstein demonstrou que o uso da energia atômica era teoricamente possível, mas nada, nem ninguém, podia assegurar que fosse viável na prática.

Em 2 de agosto de 1939, solicitado por vários físicos, Einstein escreveu ao presidente Roosevelt, dos Estados Unidos, uma carta, em que alertava sobre o perigo de uma bomba atômica nazista.

Em 12 de abril de 1945, dia da morte repentina do presidente americano Roosevelt, Trumann, seu acessor, não deu ouvidos a Einstein e aos físicos que o apoiavam, ordenando o bambardeio nuclear de Hiroxina e Nagazáqui, com as terríveis conseqüências que se conhecem.

 No século XIX, esboçava-se a grande revolução científica que daria origem à Teoria da Relatividade. A grande inovação da Teoria da Relatividade são as modificações que ela introduz nos conceitos de tempo e comprimento dos corpos, afirmando que conforme o referêncial usado para medir essas grandezas, o tempo se dilata e os comprimentos se contraem. Os efeitos relativísticos só são detectáveis a velocidades muito próximas à da luz. Por isso, a teoria de Einstein não rejeita a Mecânica de Galileu-Newton, utilizando-a como um caso particular para corpos com velocidades desprezíveis em relação a luz.

 

 Em 1902, Einstein foi trabalhar na Repartição de patentes de Berna. Com pouco trabalho e a atmosfera serena da repartição pôde produzir a maior parte da sua obra científica. Em 1905, publicou três trabalhos que o imortabilizaram. O primeiro, versava sobre o efeito fotoelétrico e valeu-lhe o Prêmio Nobel de Física em 1921. O segundo, sobre o movimento browniano, que não só provocou de maneira irrefutável a Teoria Cinética do Calor, como forneceu a melhor prova "direta" da existência das moléculas. Em seu terceiro trabalho, em 1905, intitulado "Sobre a Eletrodinâmica dos Corpos em Movimento", eram lançadas as bases da Teoria da Relatividade Restrita, que abriria novos caminhos para o desenvolvimento da Física.

 Mais tarde mudou-se com a família para Milão onde terminou seus estudos básicos, ingressando na Escola Politécnica de Zurique, na Suíça Alemã, formando-se em 1900. Nesta época, conheceu uma estudante húngara, Milena Maritsch, sua primeira mulher, com a qual teve seus dois filhos.

Albert Einstein nasceu em Ulm na Alemanha, no dia 14 de março de 1879. passou a infância em Munique, para seu pai, Hermann Einstein, transferiu sua loja de artigos elétricos. Cedo, porém, Einstein teve curiosidade pela Ciência.

[ ver mensagens anteriores ]